Pré-tratamento de sementes de girassol com diferentes enzimas para a extração do óleo vegetal

Abra Eli Atsakou, Edwil Aparecida Lucca Gattas, Ariela Veloso Paula

Abstract


Biotecnologia-FCF, UNESP-Campus de Araraquara. Introdução: Geralmente extraídos das sementes das plantas,os óleos vegetais são mais saudáveis que os óleos de origem animal. A variedade de óleos é grande, sendo que cada óleo vegetal possui propriedades específicas que são direcionadas para diversas finalidades, como por exemplo,alimentação, cosméticos, combustível, fins terapêuticos, entre outros. Os processos de extração de óleos vegetais variam de acordo com a matéria-prima processada. No entanto, existem novos métodos de extração, ambientalmente amigáveis, que incluem a utilização de enzimas no processamento de oleaginosas, combinado com processos puramente mecânicos. Os rendimentos de extração são satisfatórios e a seleção das enzimas requer o conhecimento da composição do tecido vegetal da oleaginosa a ser processada também. Objetivo: O objetivo do presente trabalho foi avaliar o rendimento de extração de óleo de sementes de girassol, através o uso de diferentes enzimas no pré-tratamento. Metodologia: Foram utilizadas duas diferentes enzimas: uma comercial (Celluclast, Novozymes A/S, Paraná) e pectinases obtidas a partir de fungos filamentosos isolados do solo, caracterizados como Aspergillussp. epertencentes à coleção de fungos do laboratório de Biotecnologia de Alimentos da FCF-UNESP, Araraquara. As sementes de girassol foram inicialmente trituradas, em liquidificador, e embebidas em solução de tampão acetato de sódio (pH=5, temperatura=50°C), sob agitação (200 rpm) por 24horas, antes de serem submetidas à ação das enzimas. Vale ressaltar que fez-se a análise da atuação de cada enzima separadamente, verificando-se também o efeito combinado de ambas, nas mesmas condições de ensaio por 48 horas, a partir de um planejamento fatorial 2³. Os parâmetros considerados foram: velocidade de agitação (200rpm), tempo de extração (24 e 48 horas) e quantidade de enzimas utilizadas (10, 12,5 e 50mL) em relação ao peso da matéria-prima a ser extraída. Após filtração com peneira rotativa e centrifugação (10000 rpm, 20minutos), as fases foram separadas em funil de separação e filtrado com hexano como auxiliar. Após evaporação do solvente, o óleo foi pesado a fim de se determinar o rendimento do processo. Foram comparados os rendimentos de extração de óleo com e sem o uso de enzimas no pré-tratamento de sementes de girassol. Resultados e discussão: Os resultados mostraram que a aplicação das enzimas no processo de extração de óleosapresentou melhor rendimento, quando aplicadas de forma combinada na proporção 1:1 (Celluclast/Pectinase), em relação ao processo sem enzimas no pré-tratamento de sementes. Essa é uma variável que merece destaque, pois uma das limitações da extração enzimática é justamente a quantidade de enzima a ser utilizada, já que o custo da mesma é elevado limitando o uso dessa tecnologia. Conclusão: A aplicação de enzimas no pré-tratamento de sementes de girassol, mostrou-se ser um procedimento satisfatório para facilitar e favorecer o processo de extração de óleos oriundos de sementes.

Keywords


celluclast,pectinase, óleo de girassol

Full Text:

PDF

Refbacks

  • There are currently no refbacks.



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.