Motivação para prática de exercícios físicos em estudantes de Farmácia-Bioquímica

Adrielly Santos, Lucas Arraes Campos, Juliana Alvares Duarte Bonini Campos

Abstract


Introdução:A motivação pode ser definida como um fator determinantedo comportamento. A teoria da autodeterminação afirma que a motivação contemplaa “motivação intrínseca”,relacionada diretamente com o indivíduo e o desejo/prazer proporcionado pelo comportamento e a “motivação extrínseca”, que ocorre quando uma atividade é realizada com outros objetivos, estando relacionada a aspectos externos com ganhos agregados.Objetivo:Identificar os fatores motivadores para prática de exercício físico em estudantes universitários.Metodologia: Participaram 216 estudantes de Farmácia-Bioquímica da UNESP (idade=20,85;DP=2,63 anos). A motivação para o exercício foi estimada utilizando o Questionário de Motivação para o Exercício-2 (EMI-2)que possui 14 fatores representados em cinco aspectos: psicológico, interpessoal, saúde, corporal e físico. Para caracterização da amostra utilizou-se informações demográficas. O IMC foi calculado a partir do peso e altura referidos, e utilizado na classificação do estado nutricional.Realizou-se análise fatorial confirmatória (AFC). Os índices razão de qui-quadrado pelos graus de liberdade (?2/gl), Comparative Fit Index (CFI),Normed Fit Index (NFI) e Root Mean Square Error of Approximation (RMSEA) foram utilizados eo ajustamento foi considerado adequado se os pesos fatoriais (?) =0,50; ?2/gl =2,0; CFI=0,90; NFI=0,80 e RMSEA=0,10. Calculou-se o escore de cadafator do EMI-2 utilizando a matriz de pesos de regressão obtida na AFC. Os testes de Mann-Whitney e Kruskal-Wallis foram realizados para comparar os escores obtidos nos fatores com as variáveis sexo, nível econômico, estado nutricional e prática de exercício físico. Utilizou-se a=5%.Resultados e discussão:A prática de exercícios físicos foi relatada por 45,6% dos estudantes. Para o estado nutricional 7,5% foram classificados com baixo peso, 65,9% com eutrofia,21,5% com sobrepeso e 5,1% com obesidade.A qualidade do ajustamento do EMI-2 foi considerada adequada (?2/gl=1,797; CFI=0,901; NFI=0,805 e RMSEA=0,061). A motivação para exercício físico no sexo masculino se relacionou com desafio, prazer, competição e realização social enquanto nas mulheres relacionou-se com a aparência, controle de peso e prevenção de doenças. Quanto ao estado nutricional os indivíduos com baixo peso apresentaram menor motivação relacionada a aspectos interpessoais e os eutróficos são mais motivados por fatores psicológicos do que os com sobrepeso. No aspecto saúde, indivíduos com obesidade apresentaram maior motivação do que os com sobrepeso. Os praticantes deexercício físico apresentaram maior motivação nosaspectos psicológico, interpessoal, físico e corporal (p=0,05). O nível socioeconômico não foi fator um significativo. Conclusão:Conclui-se que existe relação entre aspectos motivacionais para prática de exercício físico e o sexo, o estado nutricional e aprática de exercícios físicos e,portanto, os protocolos de saúde devem considerar essas condições para que o profissional possa atuar de maneira diferenciada e resolutiva.


Keywords


Motivação, Exercício, Psicometria

Full Text:

PDF

Refbacks

  • There are currently no refbacks.



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.